terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Eu vejo em quanto você lê.

Outro dia estava esperando a médica atender minha mãe na sala da Urologia do HC, com todas aquelas pessoas humildes e cabiscaixas....esperando literalmente sentadas, horas a fio sua vez...

Eu olho aquelas pessoas e me comovo demais, tudo bem minha mãe também está naquela mesma situação, mas chegamos lá no conforto de nosso carro, temos um dinheirinho para comer o que sentirmos vontade até comprar um livro ou revista para passarmos o tempo.

Vamos embora também de carro, sem chuvas e nem tempestadas.

Nem todos tem a mesma sorte.

Eu carrego o livrinho na minha bolsa, alguns para ir distribuindo para quem meu coração mandar, pois bem, eu tenho vergonha de fazer isso..rsss...ás vezes.

Mas entreguei lá nessa sala para alguns que me rodiavam.. e é incrível, como do nada, eles começam a ler, e não param mais, olham de vez em quando para mim, numa checagem de raio x...rsss...até que alguém mais desinibido pergunta se eu sou a Andrea Prado?

Nessa hora eu quero sumir, fazer um buraco no chão, sei lá me dá uma vergonha, ao mesmo tempo eu quero saber em que página estão, e fico imaginando cada reação.

Sim sou a Andrea Prado, sou a moça da história, esse é o meu coração exposto ao julgamento de vários, aos sentimentos de vários.

Essa história e minha e estou aprendendo a viver.

Nenhum comentário:

Postar um comentário