domingo, 13 de março de 2011

Filme "Amor à distância"

Acabei de assistir "Amor à distância", adorei!
Ando cansada de comédias romanticas esteriotipadas, claro, que a maioria das relações passam por provas e desafios semelhantes, mas nem todo mundo responde igual a elas, nem todo mundo segue a cartilha que a sociedade nos passa por osmose.
No caso do filme, o cara não dá muito bola para os relacionamentos que tem, não cuida sabe, por medo, ou acomodação e depois se pergunta por que deu errado(?). Eu fiz muito isso, por que, muitas vezes a gente não está preparado ainda para entrar fundo, se jogar naquela relação e é mais fácil deixar as coisas serem levadas, sem cuidar, e quando a coisa vai para o buraco uma parte nossa até se sente aliviada, por que, convenhamos gostar dá um trabalho danado.
Fizeram muito isso comigo também e não importa o quanto você é bacana, bonito, divertido, às vezes, embora eu deteste essa frase a coisa não é com você mesmo, a outra parte é que não tem colhões para bancar essa história naquele momento.
Tem os que tem fobia de namorar, aí é outra história, precisa de tratamento.
No filme ele está lá reclamando da décima namorada que perdeu por não investir, quando surge uma garota que naquele momento não quer se envolver, ou seja ela não cria expectativas em relação aquele cara, por que, em algumas semanas ela irá se mudar, é por isso, que as coisas rolam naturalmente, divertidamente.
(o sonho de todo mundo, que as coisas rolem sem pressão, mas tem que ter o feeling de estar aberto, dar sugestões, convidar, e entramos novamente no investir, sem sufocar, investir em conhecer o outro, em ouvir e sentir o outro).
E quando eles vêem aí estão apaixonados...
Aí a dificuldade é administrar a distância...
Essa ninguém ainda sabe como, afinal, não deve ter coisa mais difícil que querer um abraço, um ouvido, um colo e a pessoa que pode te dar está distante fisicamente, tem coisas que só o olho no olho (nem web resolve) é capaz de acalentar o coração da gente.
Mas aí é por que essa história de amor é verdadeira, por que, tem muitos casais que moram na mesma casa e se sentem só como o casal do filme, de uma forma pior: emocionalmente.
Acho que todo mundo quer ser o casal do filme, ter cumplicidade, amor, amizade, carinho, respeito, e poder contar um com o outro em qualquer circunstância, e mais, deixar o outro livre, por que sabe que ele te ama. (mais aquariano impossível), de preferência no "tetiateti" que ninguém é de ferro e essa vida é muito curta.
Gostei, se curte comédia romantica, fica a dica!

Nenhum comentário:

Postar um comentário