segunda-feira, 30 de maio de 2011

Do Baú - A Mala da vó.

Eu já contei a história do baú que aqui em casa chamamos de "MALA DA VÓ".
Esse baú eu herdei da minha avó Anita, faz alguns anos, acho que por volta de uns 12/15 anos.
Sem mais nem menos eu pedi ele quando a minha avó morresse (assunto que eu levo numa natural..rsss), e minha avó super carinhosa, falou que se eu fosse cuidar direitinho eu podia levar na mesma hora.
A mesma hora demorou um pouco, já que ele é um peso imenso e foi preciso vir de caminhão lá do Paraná para a minha casa.
Mas quando chegou, foi uma alegria imensa, é lá que guardo minhas recordações, os cartões, cartinhas, bilhetinhos, diários, e tudo que me dão, coisas que são super especiais para mim.
Quando pintei pela primeira vez, ainda era uma menina e foi esse o tema escolhido, bonequinhas que representavam meus amigos, vários viam aqui e se identificavam com uma das bonequinhas ou bonequinhos e para mim eu era a de cabelo encaracolado, sozinha e ao mesmo tempo acompanhada de todas essas pessoinhas que eu amava.

A mala foi feita e dada para minha avó pelo seu cunhado, que era marceneiro, o marido da Tia Aurora, uma das irmãs adotivas da minha avó.
Ela foi feita para servir de mala (naquele tempo não tinha de rodinhas 360 graus..rss), para que ela levasse seu enxoval de Caconde para o Paraná, mais precisamente Cornélio Procópio.
Lá ela ganhou um reforço do meu avô Zico no fundo, e em casa meu pai colocou pés e o puxador antigo que gosto muito.
Ou seja ela é o remendo carinhoso de muitas pessoas que eu amo....
Mas já estava na hora dela ganhar nova roupagem, e como eu amo fotos, e elas têm tudo a ver com recordações, foi o espaço escolhido para ser o lugar do meus amigos, das memorias da minha vida.
E assim entre várias etapas a transformação foi feita, adorei o resultado e espero que a minha avó curta também, sempre que chego lá ela quer notícias, por que, ela diz que só gosta de dar as coisas para quem ela sabe que cuida, e que em quanto ela tiver olhos (ela aponto para os dois..rsss) e ainda estiver nesta vida, ela quer ver as coisas que ela deu com todo amor serem bem cuidadas.
Eu cuido vó, cuido muito, amo de paixão as coisas que me deu, que contam histórias da sua vida e agora da minha.

Por dentro, ela também vai ganhar uma mão de verniz, mas a arrumação foi feita, uma caixa de madeira, feita pelo meu pai, guarda meus diários, coisas de escola, etc.
Uma linda de imagens de Cartas, guarda as muitas cartas que troquei com muitos amigos e amores.
Uma outra de flores, guarda cartões postais, ingressos, cartões de natal, aniversário e tudo que eu ganho, ou gosto de guardar.
E uma outra fininha, com flores igual a das diversas, eu guardo as coisas dos meus pais, da mocidade deles, cartas de seus amores, de seus amigos, acho que essa mania vem deles, essa vontade imensa de que nossas recordações tenha letras, cheiros e não morem somente dentro de nossa memória, mas tenham um lar majestoso como a MALA DA VÓ.

Um comentário:

  1. Adorei a história, adorei a vó, adorei o baú, adorei as caixinhas, adorei tudo!!!

    Ahhh clarooo, adoro ocê tb...rsrsrs!

    Bju flor!

    ResponderExcluir