terça-feira, 29 de maio de 2012

Pra quem você se desnuda?

Comecei a fisioterapia para o meu pezinho e a exposição do fofo continua em alta...e é por isso que volto esse assunto aqui no blog, em quanto as histórias brotarem, em quanto a VIDA continuar me mandando recados.
Cada pessoa que vê meus pezinhos pela primeira vez, é necessário uma explicação básica do que houve...
Há muitos casos parecidos de pessoas que perderam partes de seu corpo, mas por um motivos diferentes do meu, tanto que um dia perguntei para minha médica se ela poderia me apresentar alguém que teve o mesmo problema e ela me disse que não queria ser dramática, mas que poucos sobrevivem à septicemia e portanto ela não tinha ninguém para me apresentar...ou seja...sou um caso raro!!!
Eis que a minha nova fisioterapeuta ao ouvir a minha história, me contou que tem uma amiga de infância que perdeu todos os dedos como eu, eles foram amputados, por conta da diabetes (uma das doenças em que a perda de membros é mais comum), quando ela tinha oito anos.
Sua família simples não se importava muito com os problemas que ela tinha e quando descobriram já era tarde demais.
Durante toda a infância ela conviveu com seu segredo, as crianças não gostavam de chamá-la para jogar bola, queimada, pois, ela constantemente caia (por conta da falta de equilíbrio).
Com mais idade ela foi contando, mostrando, se desnudando perante aqueles com quem ela convive.
Tati, minha fisioterapeuta comentou que ela nunca usou sandálias, que entre seus conhecidos ela fica de chinelos, mas basta uma ida à padaria para ela ir até sua casa e colocar os sapatos fechados.
Tati ainda comentou que ela mata de inveja à todos com seus sapatos maravilhosos.
E que ela sempre diz que não tem vergonhas de seus pés, mas que não consegue (ainda!) se expôr, ver desconhecidos e pessoas algumas sem muita delicadeza olhando para seus pés.
Imagina numa balada, numa festa, cheia de desconhecidos.
Aqueles que a amam, que fazem parte da sua vida, que sabem quem ela é lá dentro, que sabem sua história,  a eles ela se mostra inteira.
Lembrei de um episódio de House, o médico da TV à cabo, que é mau humorado, originalíssimo, arrogante, sincero e verdadeiro quanto aos muros que construímos para nos proteger e para mostrar algumas vezes que somos fortes, bonitos, descolados, e outras tantas coisas quando na verdade somos somente nós, quem nunca assistiu vale a pena.
Ele teve um problema na perna, e tem uma cicatriz imensa, um problema no nervo que o faz sentir dor constante e por isso se drogar e também o faz mancar e usar uma bengala (as mais rock roll que ele encontra...rs)...
No episódio "Congelada" (Quarta Temporada) ele cuida de uma cientista no Polo Norte, e conforme a história vai sendo contada ela vai perguntando coisas sobre ele, o porque da bengala, do mancar, eles vão se conhecendo, seus medos e fraquezas, suas dores e desencontros.
Até que chega uma hora que ela precisa ficar nua para que ele o examine, via satélite...ela lhe diz que só ficará nua se ele também ficar e ele diz que sem problemas.
Diante dessa desenvoltura dele com a nudez, ela faz um paralelo da diferença entre o assunto nudez e o assunto da perna dele e ela lhe diz essa frase:
"É mais fácil você ficar nu do que mostrar sua perna (cicatriz)".

Escutei calada tantos sentimentos que ressoam em mim, lembrei e lembro sempre dessa cena de House e fiquei lá deitada assimilando mais uma vez os recados que a VIDA me dá, que são interpretados por mim, baseados nos meus sentimentos, no que vivo, os meus "achometros" tão meus.
E saí de lá agradecendo a VIDA a oportunidade de estar atenta aos aprendizados que existem numa simples sessão de fisioterapia, ou seria uma sessão de CATARSE?! RS



2 comentários: