quarta-feira, 23 de maio de 2012

Vergonha dos pés.

Pode ter pessoas que leem o blog que não saibam, mas quando eu tinha 30 anos eu tive septicemia e por conta da medicação forte ou até mesmo do quadro infeccioso eu perdi as pontas dos dedos dos pés.
Sim dos dois.
Além de outras coisitas.
Todas elas são difíceis de superar, acostumar, lidar.
A perda dos dedos do pé mexeram com a minha autenticidade, hoje, se tiver que tirar os sapatos, primeiro vai me dar um trave, depois vou suspirar, e depois vou encarar, já que sou dessas que lutam contra os meus medos, vergonhas e traumas.
Há várias histórias sobre os meus pés, e uma que eu acho que nunca contei aqui é que logo que eu estava melhor eu fui em um Centro Espírita agradecer um determinado grupo por ter intercedido por mim.
Eu não sabia direito como funcionava, se seguiam os preceitos Kardecistas ou não, simplesmente fui.
Chegando lá, era uma corrente de pai de santos, onde eu não me sinto tão confortável, mas respeito acima de tudo.
Ele conversou comigo e mandou dentre outros rituais que eu tirasse os sapatos...
Aconteceu tudo isso que citei acima, travei, suspirei, pensei e em quanto eu assimilava o que para mim é um constrangimento ele me disse o seguinte:
Não precisa ficar com vergonha, na verdade você não deve ter vergonha, você deve ter orgulho de como seus pés ficaram, por que, o que importa para Deus é como você é agora aí dentro, e qualquer pessoa que olhar diferente para você é quem deve ter vergonha.
Nada disso importa, como seus pés ficaram, o que importa é como você é.
Lógico que comecei a chorar, e percebi o quanto aquilo tudo era verdade, mas que antes de qualquer coisa isso precisa ser verdade para mim, eu precisava sentir orgulho dos meus pés, orgulho de mim por superar essa perda.
Muitas outras coisas aconteceram, outras tantas situações, dificuldades da minha parte, terapia, onde meu médico me disse que se eu sentisse faltando um pedaço, diferente, ou menor, era assim que as pessoas iriam me ver, mas que quando eu conseguisse ver isso como mais uma coisa era assim também que as pessoas me veriam.
Até comentei no livrinho, que ainda doía demais, mas que eu e meus pés estávamos caminhando para a superação.
Também disse lá que era uma bobagem perder as pontas dos dedos dos pés, quando se pode andar, quando tantos são impossibilitados disso, mas é que não tem como se medir dor, não tem como saber como iremos agir, saiba que só quando acontece conosco a gente lida com aquilo da forma que conseguimos.
Talvez minha amiga Cláu, despojada, brincalhona, lidasse com isso de uma forma mais branda, talvez, mas eu Andrea, também me permiti sentir essa dor, e me permitir aceitar que eu ainda não conseguia lidar de uma forma leve com isso, embora, eu nunca tenha feito um drama muito grande, doí sim, porém, tem dores maiores e eu luto e ajo para superar e lidar com isso da melhor forma possível.
Meu foco sempre foi lidar com isso naturalmente, o máximo possível, por que, eu acho que as feridas sempre ficarão, acho que nunca mais eu agirei naturalmente quando tiver que tirar os sapatos em público.
Eu fui levando a minha vida, aceitando que ir à praia, usar chinelos no verão, usar sandália talvez nunca mais seja natural para mim e talvez nunca mais aconteça.
Fui me desprendendo aos poucos, em casa, vou na rua de chinelos, nunca tive vergonha da minha família ou amigos próximos, enfim, fui conquistando a cada dia ficar mais próximo o possível da naturalidade perdida.
E foi assim que ao torcer o pé eu me vi no velório da minha avó tirando os sapatos toda hora para mostrar para todos o machucado, engraçado que foi o pé que os dedinhos sofreram mais.
A namorada de um primo, que eu conheci lá, e que com certeza não sabe da história, pareceu assustada quando eu mostrei meu pé, senti na hora que ela imaginou que a torção tenha feito com que as pontas do dedo caíram. (achei engraçado sua surpresa).
Fui percebendo uma naturalidade, um desprendimento em ficar descalça e exposta e me senti orgulhosa do meu progresso, talvez tenha demorado muitos anos, mas sinto orgulho por eu lutar para tornar isso o minimo possível desconfortável em minha vida.
Me senti aliviada por mostrar para tantas pessoas, pessoas que sabem a respeito, mas que nunca tinham visto como ficou, já que sempre estou calçada com sapatos fechados.
Tem muitas outras coisas que eu preciso superar a respeito, mas me sinto mais livre, mais desprendida e sou grata a mim mesma que sempre lutei para chegar aqui.
Ainda tenho muitos desconfortos, mas sei que cada dia mais lidarei melhor com isso, e desde o começo, eu disse que não me importava com o tempo que demorasse eu queria respeitar meus limites e minhas fraquezas, mas um dia, eu não me importaria com isso.
Um dia o "corpicho" estragadinho por tantas lutas não seria o mais valorizado e sim o aprendizado que trago aqui dentro de mim, na minha alma, quem eu sou de verdade, durante todas as minhas vidas.
E o dia que eu me sentisse assim, todos a minha volta também sentiriam.
Ontem no ortopedista, que diga-se de passagem é meu irmão de transplante e pasmem (eita Deus..rss), é paciente da minha médica, a Dra. Lúcia, o médico agora meu amigão, quando ficou sabendo que eu era transplantada, que eu tinha perdido as pontas do dedo por conta da infecção e que não tenho uma boa circulação, etc, ao final da consulta ele passou a mão na minha cabeça com carinho e me disse:
"Eita garota, você já tem tanta coisa para administra, não pode ainda torcer o pé" Rs!
Tudo tem seu propósito na nossa vida, alguns são obscuros no momento, mas creiam, tudo tem um motivo de ser.
Dentre tantos outros eu torcer o meu pé foi mais um passo que eu e meu pé demos em direção do desprendimento total.
E que ele chegue em seu tempo, no meu tempo, no tempo que preciso para evoluir mais e me desprender de aparências e vaidades.
Tempo em que o que a gente é valha mais do que o que a gente tem momentaneamente, como esse corpinho emprestado por Deus para a gente ficar mais bonito de alma.
Eu e meu pé continuamos caminhando para isso!
                                           Pé do Rafa meu sobrinho e meu antes de ficar doente.

9 comentários:

  1. Me lembro muito bem do seu pé... não sei pque, mas me lembro bem mesmo... estranho né?!?! vai vê que é pque vc sempre estava com um sapato mais lindo do que o outro e eu sempre de olho pra pegar e não devolver mais...rsrsrs!!! Me lembro do pé doentinho e sei como ele esta hoje... e tenho um baita orgulho deste pé e principalmente de quem ele carrega, de quem ele sustenta.. você, minha irmã de alma!!! Ah, continuo olhando pros pés.. e eles estão com cada sapatinho tao lindos..rsrsrs... Bjs Choruma!!1

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kakakaka...querendo pegar no meu pé..rss....nos meus sapatos..rs
      Eu também, eu também, e de mim que o carrega para cima e para baixo com dignidade...
      Lindona obrigada...
      Mania de beleza..rss
      Beijos Chorumelas.

      Excluir
  2. Roseli Zotarelli23 de maio de 2012 19:00

    Gostei de saber um pouco da sua história.
    Gosto de ter conhecido vc.
    Beijo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Querida,
      Que bom...
      Também adorei te conhecer...
      Eu escrevi um livrinho sobre a minha história, vou te dar....
      Beijocas.

      Excluir
  3. Deaaaaaaa minha lindona!! De traumas em traumas, visiveis ou não, todos nós vamos tentando superá-los...não importa o tamanho... o importante é o aprendizado! e ter consciencia desse processo é a sabedoria de Deus! beijo graaaaaannnndddaaaaaooooooo!

    ResponderExcluir
  4. Pois é ter consciência dos nossos limites e cada degrau ultrapassado é que nos dá força de seguir adiante.

    Beijos grandaoaoaoaoaoaoaoa dani.

    ResponderExcluir
  5. Boa tarde, tudo bem?
    Entrei para conhecer seu cantinho. Gostei muito de tudo que vi. Parabéns o blog está lindo. Já estou seguindo. Depois passa lá no meu cantinho também, será um prazer, ótima semana pra vc, bjs
    Claudiana
    http://encantosempontocruz-barbie.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Claudiana,
      Seja bem vinda, que bom que gostou...
      Vou lá conhecer o seu e já volto..rss
      Beijocas.

      Excluir
  6. Boa tarde, tudo bem?
    Entrei para conhecer seu cantinho. Gostei muito de tudo que vi. Parabéns o blog está lindo. Já estou seguindo. Depois passa lá no meu cantinho também, será um prazer, ótima semana pra vc, bjs
    Claudiana
    http://encantosempontocruz-barbie.blogspot.com

    ResponderExcluir