quarta-feira, 17 de abril de 2013

Me diga como reages que te direi quem és

Não quero fazer desse espaço um lugar de desabafo...não é!
Nem quero defender minha ideias e ideais, por que, pra cada uma delas há um outro lado, com um lado positivo e outro negativo.
Se eu não sei o todo da minha própria vida...aff
Estou cansada de discussões, por isso, nem começo uma, sou da paz, estou na paz, preciso de paz.
Sim há um mundo imenso dentro de mim, mas como a frase do Graham Geene:

"As pessoas reais estão repletas de seres imaginários".

Mas a verdade é que tenho tido tempos de testes mil, cotidianos, desses que todos nós passamos.
É o dinheiro curto, numa balança sempre desigual entre o valer a pena e o esforço investido na vida.
É uma análise profunda de que sempre que preciso economizar para um projeto com prazo estabelecido, às vezes, pela necessidade e não pela luxuria, acontecem coisas na vida da gente que economia nenhuma é capaz de resistir.
É a compra de um medicamento, é a batida do carro, é o túmulo da Tia Avó queridíssima que partiu, é a viagem para cuidar de tudo, enfim, são questões incalculáveis e que não podem ser deixadas para depois.

Talvez por isso eu tenha percebido e resolvido a me dar folga, me dar prazos maiores para realizar os sonhos, por que, os imprevistos acontecem sempre. Talvez, seja isso, um exercício para mim para lidar com as coisas que não controlamos (mas o que controlamos na verdade?).

É perceber que ninguém, absolutamente ninguém pensa como você, reage como você, ama como você, toma as mesmas decisões que você.
Dificilmente alguém vai cuidar das coisas como você esperar, talvez saia melhor do que você imaginava, talvez pior, mas nunca igual.

Percebi também a não mal dizer aquelas coisas que acontecem que chamamos de erros, o caminho errado, o atraso, a batida, as folhas impressas menor ou maior, creia tem um propósito maior, mesmo que a gente não veja.

Hoje me rendi a procurar minha médica, pois, a dor de tanto tossir, a ardência da sinusite, as dores no corpo começaram a me preocupar, seis da matina já estava lá colhendo sangue, hospital lotado, muitas emergências, em quanto subo a rampa dou uma olhada no pessoal do SUS que aguarda sua vez, sentados no tempo, no frio (sim seis da matina é frio), meus olhos lacrimejam, não por conta do resfriado.

Tomo cafezinho e sigo para minha médica lá perto, só posso subir às oito, então, espero sentada num banco duro perto de uma porta numa friaca do cão (já disse que sete da matina é frio?). Quando subo para o consultório, descubro que minha médica só atende hoje ao meio dia. ($%¨&*)

Volto para o PS para ver se me atendem, a enfermeira super carinhosa, me diz que tem várias emergências, que posso esperar, mas vai demorar MUITOOOOOOO, ela quase grifa o muito, tira minha temperatura, minha pressão, meus batimentos (agora acelerados), e me convence a desistir, volto para o consultório para esperar minha médica.

Lá jogada no sofá (ohhh sofá bom), entre uma tosse e outra, bato papo com o único paciente de fora que também aguarda, afinal são oito da matina (já deu uma esquentada, mas estou resfriada e ainda está frio para mim..rs). Ele me conta sua história, não gosto de contar a minha, por que, sempre acontece isso:

Depois que conto a minha, geralmente a conversa acaba!!!

Rss

Sério, é bem difícil alguma história, pelo menos lá no consultória competir com a minha.

Silêncio depois, sou chamada, minha médica me examina, me dá medicação, fala para voltar na consulta pré agendada a tempos na próxima terça e me despacha sem nem querer que eu pague...rs

Como era rodizio do meu pai, mandei ele ir trabalhar às 10h00, mas me arrependi até a última força, fui subindo para o metrô, trocando de linha (afff como anda na amarela), tomando ônibus (Hei por onde eu desço? Me sinto num país estrangeiro, prestando atenção ao mínimos detalhes), passo na farmácia e finalmente na última maratona do meu dia eu subo a subidona íngreme aqui de casa... (quem sabe onde eu moro que me diga?! Rs);

Meus olhos agora não lacrimejam mais, estou chorando de cansaço e dor.

Ufa estou em casa...

Tomo o primeiro comprimido (são cinco por cinco dias) e espero que ele me cure AGORA! Rsss...pelo preço deveria viu..rs

E fico feliz de ver tantas experiências me lapidarem dia - a - dia!

Ainda não tirei 10 nessas provas, mas já escrevi, pelo menos, meu nome no cabeçalho...rs



4 comentários:

  1. Somos tantos assim nesse mundo ........... mas só percebemos quando olhamos direito para o assunto. Se pudéssemos mudar tudo num piscar de olhos, não é?
    Beijos linda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Jô....mas não olhamos nem mudamos...
      Beijos querida.

      Excluir
  2. Senti com vc todo o frio e o desconforto que vc sentiu, só de ler o que escreveu...... Ficar doente é horrível, mas depender dos médicos é trágico.... eles não estão nem aí com os pacientes, mesmo os que pagam.
    Vim agradecer sua visita e os elogios que deixou lá no meu blog.... muito obrigada pelo carinho.
    bjs
    Sônia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha Sônia tem dias que é uma maratona....e nesse especialmente uma maratona no frio...kakakaka!
      Realmente estar doentinha é fogo ou frio...sei lá..rss
      Mas isso é bem pouco diante da maratona de muitos outros.
      Sou abençoada por Deus.
      Não devia choramingar...rss
      Imagina...Uma beijoca.

      Excluir