terça-feira, 8 de março de 2016

Quem é você hoje?

Faz tempo que não escrevo por aqui.

Mas devido a pedidos (mentira...rs), e insistência dos fãs (mas tu é cara de pau...rs), e quantidade de assuntos mirabolantes em minha cabeça (isso sim verdade..rs), diga a todos que voltarei...(a todos quem criatura?)

Vou tentar explicar por que ando sumida!!!

É que entrei numa neura de que o que digo não tem muita importância, o que faço, o que acho...

Aliás não é que não tenha importância, mas acho que tem importância para mim e para aqueles que são influenciados ou estão envolvidos naquilo que poderá os atingir.

Ando numa fase da vida, em que tenho achado que todo mundo tem opinião demais

Antes a pessoa calada era julgada pela sociedade como tímida, burra, apagada e por aí vai.

Tem um quê de vaidade querer controlar ou saber mais que o outro, achar ilusoriamente que o que achamos sobre determinado assunto é o certo, aliás o que é o certo ou errado?

Nenhum assunto, nenhuma questão será totalmente analisada e correta, simplesmente por que o que é verde pra mim é abobora para o outro, fora que só dá para opinar sobre algo que você conheça de forma abrangente, todos os lados, e mesmo assim será sempre um circulo vicioso.

Para o grupo que vê verde, você defender o verde será sempre o certo, mas e para a turma do abobora?

Você tem certeza que sabe tudo o que está acontecendo, conhece todos os lados, todos os motivos, os por quês?

Tenho ficado mais calada, até por que, calada eu tenho aprendido a comprar só as brigas que me interessam, sabe aquele pensamento: Isso não dá para eu deixar passar.

E aquela outra frase famosa: Prefiro ter paz do que razão.

É o equilíbrio entre as duas que tenho procurado.

E nessa procura entre calar e me defender, entre não ser burra alienada, mas não ofender nem atacar ninguém, entre ser culta dentro dos meus limites financeiros, intelectuais e desejáveis, ando cambaleando nessa busca que será para sempre na minha humilde opinião a busca maior que é amar incondicionalmente, aceitando até o lado negro de outro alguém.

Fui por isso que sumi um pouco, por achar que minhas opiniões não precisam ser ditas, compartilhadas e esperançosamente aceitas.

Ando só, cortando passos com a solidão, como diz a música que chamo de minha.

Por que li em algum lugar que não adianta a gente ficar dizendo as coisas: 30% não está interessado no que você está dizendo, 30% finge que ouve e 30% não faz ideia do que você está falando e somente 10% está te ouvindo até a frase três...rs...isso significa aquela antiga frase que muitas vezes estamos jogando perolas aos porcos.

Saca aquela sensação de você desabafando por horas e de ter a sensação de que não adiantou nada, por que, é muito raro e difícil achar quem tenha empatia, quem ouça o que você diz sem te julgar, criticar...só ouvir...simples assim.

Por que ainda é raro alguém te amar incondicionalmente.

Não sei vocês, mas tem horas que eu quero falar os maiores absurdos, quero dizer tudo que faz com que lágrimas rolem pelo meu rosto sem trava de segurança, eu sei de toda teoria, da fé, da esperança, de quanto sou abençoada, mas tem horas, que eu simplesmente quero colocar pra fora todos os meus medos, dores, temores...cansa ser positiva, amiga, alegre o tempo todo, tem horas que a vida fica muito cinza e sem alguém para simplesmente nos ouvir, sem querer que ao invés das queixas a gente seja grato é algo raro.

Eu sou muito positiva, procuro me alegrar, agradecer, ter fé e esperança, mas não sou essa pessoa 365 dias do ano, tem horas que tudo fica muito cinza e me dou esse direito, como muitas pessoas eu passei por maus bocados nessa vida, posso dizer com certeza que tenho mais do que chorar e choro, mas escolhi procurar ser feliz.

Minha ausência aqui, meus cuidados maiores com o face, o instagram, e a vida real, é que muitas vezes passamos uma impressão de sermos só positivos, felizes, tristes ou deprimidos, por conta do que postamos...mas fiquem atentos nem todo mundo é tão triste, nem todo mundo é tão feliz...

Postamos aquilo que achamos melhor de nós, mas isso não significa que não tenha outro lado, outros dias, outras escolhas.

Eu não sou só o que acabei de escrever, sou uma metamorfose ambulante, que sente e muda a todo momento.

Vamos ter cuidado ao julgar o que as pessoas postam, um post para determinado candidato, aprovação para algum assunto complicado, não limita aquela pessoa a uma única coisa.

Tem muita gente deletando amigos da vida virtual e material por conta de uma posição política, de um post ou de uma frase mal escrita ou pensada.

A vida virtual é uma extensão da vida material, é a mesma coisa...

Sejamos mais tolerantes...mas criteriosos...e respeitosos.

Eu leio algumas coisas de amigos que me chocam, mas respiro fundo, e vou em frente, por que, temos que respeitar o momento da pessoa, e até mesmo sua escolha e seu grau de entendimento e evolução sobre aquele assunto.

Eu tenho um amigo de vida real, passamos anos sem nos ver, só interagindo pelo Face, e depois de anos de julgamentos tanto meu quanto do meu amigo sobre quem havíamos nos tornado, nos encontramos para um almoço, contei tudo que havia ocorrido comigo e nem sempre eu choro, mas nesse dia eu chorei e falei o quanto tinha sido e ainda é difícil algumas coisas, algumas perdas, e ele me disse assim:

Nossa você é tão positiva no face.

Aquilo me chocou profundamente, por que, percebi que a visão que ele tinha de mim era essa, uma pessoa que passou por graves problemas de saúde, mas era positiva. Só. Eu era somente essa pessoas positiva, ponto final.

Me senti uma impostora, tentando parecer algo que ao vivo aparentemente eu não era.

Contei na terapia e chegamos a conclusão que a imagem que esse amigo tinha de mim foi modificada por eu ter no almoço, contado minha história e ter dito que não era fácil, que ás vezes eu ficava triste. E percebi o quanto criamos uma imagem das pessoas. E fui além isso sempre existiu, por que, nunca nos aprofundamos em conhecer as pessoas, por preguiça, medo, falta de tempo.

Quem já não foi julgado como periguete pelas roupas que veste, baladeira por gostar de sair, chata por defender algumas posições e por aí vai.

Quem nunca julgou e foi julgado?

Vivemos apresentando um papel na sociedade, fingindo não ter dor para não ser chato, guardando nosso choro, nossos inconvenientes, nossas risadas escandalosas, ficando do tamanho que seja necessário ser para caber dentro de muros que nós próprios construímos...e isso cansa, quebra, machuca.

Quando seremos mais autênticos, mas nós mesmos?

Então, eu voltei aqui, e voltarei outras vezes, para falar comigo mesmo caso não tenha empatia com mais ninguém, seja para tocar uma pessoa, duas quem sabe, para levantar questionamentos e até para falar sozinha...rs...para que me conheçam um pouco mais e para que eu me conheça um pouco mais, para que eu me liberte da vaidade de postar só o bonito, o positivo, o sensato, o cordial, o que não machuca, nem fere, o que é morno, o que cabe dentro do muro.

Não eu não quero mais julgar e muito menos ser julgada.

Eu quero ter opinião e liberdade sem que isso fira o outro.

Eu quero ser a Déa, que chora em várias madrugadas, no carro, quando se lembra e é tocada por algo que a faz transbordar de tristeza, e quero ser também a Déa que na mesma hora ou no outro dia se enche de esperança e corre atrás de ilusões que preencham, mesmo que momentaneamente, e faz compras, come algo gostoso, se maqueia e vai na festa com um sorriso sincero no rosto pintado de uma esperança verdadeira e que sem nem que se dê conta fica feliz de novo com a chuva no rosto, m abraço sincero, um sorriso desconhecido, algo que a faça lembrar que a vida é única, especial e necessária.

E quando eu vejo a vida faz sentido, mesmo diante desse caos ilusório criado por nós mesmo, onde a a gente se joga e se segura.




8 comentários:

  1. Oi, Andréa,

    Tô vindo do FB, por causa do link postado pela Virgínia. gostei deste post, eu penso assim também.

    Beijoca e boa noite

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom Marly que o que penso ressou em você.
      Não é fácil colocar palavras nos sentimentos, mas vou tentando...
      A Vi é uma fofa e sempre que ela divulga algo ganho novos amigos, descubro novos lugares, ou seja, as meninas sempre tornam minha vida melhor...
      Obrigada....
      Beijos

      Excluir
  2. Oi, Déa!
    Excelente seu post! É bem isso mesmo. Mas que bom que voltou, viu? Não desiste de blogar, não, pois blogar, dá um alívio tremendo. Eu estou andando mais nos blogs agora. O Facebook, onde eu estava quase direto, está ficando muito chato, cheio de abobrinhas, mimimis, rixas políticas, rivalidades, etc. Tá ficando pior que Orkut. Enfim, voltei a blogar e seguir blogs com qualidade como o seu. Menos estresse, mais paz de espírito.
    Bjoka!
    https://meripellensmix.wordpress.com/blog/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meri,
      Um pouco é tudo que contei acima, a preguiça de discutir, a vontade de diminuir o ego e a vaidade, a vontade de não querer ter sempre razão...rs, e um pouco é falta de tempo mesmo...
      Mas virei aqui quando puder e desejar, com a livre sabedoria de tenta ser um pouco mais eu, cada dia mais...
      Esse mundo virtual anda bem igual ao real, com a diferença de que no virtual as pessoas perdem um pouco a emenda né? rs...parece que dizer o que se pensa fica mais permitido...mas temos que ter mais cuidado sempre...tolerância e amor não fazem mal a ninguém....né? E anda uma cobrança de "politicamente correto" que anda chato demais, é que a linha é tênue entre ter opinião e querer ter razão, mas um dia a gente chega lá nesse mundo virtual e no real...beijos querida...e obrigada pelo comentário.

      Excluir
  3. Ahh Déia, eu poderia assinar este post.
    Foi por isso que parei de blogar, por tudo o que vc citou.
    Eu amei a postagem, vc sempre escreve muito bem e descreve muito bem tudo o que sente, e de verdade nunca a vi só com lados positivos. Que bom por isso.
    Muitos beijos flor do dia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Xará,
      Que bom que "me" permite ser triste de vez em quando, por que, essa cobrança e esse pre julgamento virtual e real é um tanto ilusório não é mesmo?
      Como apenas um post, algumas fotos, seriam capazes de personalizar alguém? Né Dra. Psicóloga rss...
      Impossível né?

      Excluir
  4. Adorei a volta... eu sou suspeita pra falar sobre o modo como externa as coisas... fique e escreva sempre... bjos te amo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada querida.
      Venha sempre dar uma olhada tá?
      Beijos.

      Excluir