quinta-feira, 12 de maio de 2016

Recife - Dia 1 - Reconhecendo o conhecido.

Ultimamente tenho agido assim: sem pensar, eu vou me deixando levar pela correnteza, por que, se paro para pensar:

Lembro que estou sem dinheiro, que preciso economizar, que tenho vergonha hoje em dia de colocar biquíni e usar chinelo perto de desconhecidos, que ando chata pra caramba e chorando á toa, que tenho meio pânico de não escutar as coisas, que preciso pensar antes de falar...ver se entendi direito para não causar muito dissabores, que sou chata para dormir e agora um pouco menos chata para comer...rs

Então, sem tempo para pensar muito, minhas amigas de infância, conforme me prometeram, me indicaram uma passagem barata para Recife onde uma delas mora e pra quem devia uma visita há alguns anos, e como prometido é dívida, lá fui eu... (Passagem ida e volta R$ 370,00 com taxas em cinco vezes sem juros).

Por não ter quem me levasse ao aeroporto e a distância da minha casa até o Airport Bus (diversos pontos na cidade), achei melhor ir de carro e deixar em um dos diversos estacionamentos na região, que você deixa o carro, te levam de van e te buscam quando desembarca.

Parti num dia em que SP registrava uma baixa na temperatura, embarquei aqui com 12 graus e desembarquei no calor tropical de Pernambuco 30 graus.

Minha amiga me buscou no aeroporto e começaram as surpresas, sabe quanto a hora do estacionamento no aeroporto?  R$ 10,00...chorem Paulistanos...

Fazia mais de 10 anos que eu não passava um tempo á sós com minha amiga, teve o tempo que fiquei doente e em seguinte afastada do mundo, o tempo que ela ficou grávida do segundo filho, e sua mudança para o Recife.

E sabe aquela frase: Não é a distância que afasta, mas sim os silêncios.

E silêncios nunca houve entre nós, vemos-nos sempre e nos falamos com uma certa freqüência, mas fazia tempos que não tínhamos um longo tempo para estarmos juntas. E a surpresa é que apesar de amigas para todo o sempre, somos muito diferentes agora, amadurecemos, trocamos a balada por ficar em casa, a dança pelo jantar fora, os sonhos pela realidade e passamos por coisas na vida completamente diferentes, eu não sei o que é ser casada, esposa, ter um filho, e ela nem imagina pelos caminhos que andei e por onde ando.

Quando há tolerância e respeito essas diferenças não incomodam ou prejudicam, pelo contrário, só enriquecem a amizade. Amizade que já faz tempo eu sei que nunca irá se acabar, pois, o alicerce construído, as muitas historias que compartilhamos são uma base forte demais para estremecer por qualquer bobagem.

Já passamos por mortes, doenças, gravidez, traições, ciúmes, e de alguma forma estamos aqui, compartilhando a vida com suas alegrias e tristezas, ainda amigas, ainda rindo apesar de tudo.

Acho que vou ser amiga da Chorumelas por todo o sempre... mesmo que essa amizade sofra pequenos abalos, distanciamentos, idéias diferentes, nossa amizade já tem o selo “eterno”, mas isso não significa que essa amizade não passe por mudanças, já que graças a Deus nos também mudamos.

Eu já sei como a minha amiga é e ela sabe como sou, sabemos o que machuca e o que cala nossos corações, o que nos faz sorrir, nem sempre estamos presentes uma para a outra como deveríamos, mas sabemos o caminho...ele já é asfaltado, tem flores, canteiro, e guard rail...

Minha amiga mora há duas quadras da praia de Candeias, no município de Guararapes, bem próximo da praia de Boa Viagem, aquela famosa, infelizmente, pelos diversos ataques de tubarão.
E foi nessa praia que tomamos o primeiro sol do Recife.

A praia é linda, e achei muito diversificada, o que eu achei bem bacana. Odeio aquelas praias onde há um desfile de aparências. Essa foi à primeira sensação do povo Pernambucano, o quanto são focados neles mesmos, o quanto aproveitam a vida sem encanações. Não vi ninguém olhando curioso para ninguém, cada um na sua e todo mundo curtindo esse céu azul e o mar verde água que é um presente de Deus para todos nós.

Foto by Déa Prado.


E com essa paz de ser quem é e de estar onde está, dei meu olhar e meu olá para Recife e para minha eterna amiga.

Um comentário:

  1. Ameeeeeei, tudinho! Q delícia fazer coisas inesperadas -sem pensar muito e depois pensar que foi uma ótima escolha! Amo. <3 Bj

    ResponderExcluir